O que é o Inteligência Artificial?

A inteligência artificial é uma área de pesquisa da ciência da computação que busca, através de símbolos computacionais gerar mecanismos e/ou dispositivos que consigam basicamente reproduzir a capacidade do ser humano de pensar e resolver problemas.

Um exemplo prático de que a Inteligência Artificial está presente no nosso quotidiano pode ser a reportagem que passou na TV, do carro que dirige sozinho. A Inteligência Artificial, por sua vez, encontra-se também em inúmeras outras situações: no corretor ortográfico do smartphone que corrige a palavra errada; no GPS que utilizamos para andar numa estrada desconhecida e está presente também, no site que já prevê aquilo que desejamos comprar e que nos oferece sugestões de produtos.

O início e a história da IAM (Inteligência Artificial na Medicina)

“A Inteligência Artificial Médica preocupa-se primariamente com a construção de programas de IA que realizam diagnósticos e fazem recomendações terapêuticas.”

A inteligência e capacidade dos computadores que processam um número grande de informações cativa os médicos. Isso deve-se à influência positiva que a IA pode ter na medicina na obtenção de diagnósticos e outros. Dando sequência ao que falamos acima, os profissionais da saúde e da ciência da computação têm- se unido, há muito tempo para criar uma nova área de pesquisa, a IAM (Inteligência Artificial na Medicina). Estes profissionais norte-americanos tinham uma visão esperançosa sobre a maneira como a IAM poderia revolucionar a medicina e a tecnologia. As primeiras pesquisas foram iniciadas em grandes universidades americanas, como:

  1. MIT (Massachusetts Institute of Technology);
  2. Tufts University;
  3. University of Pittsburgh…

Este trabalho atraiu rapidamente muitos dos melhores cientistas da época (anos 70 e 80), e até hoje é uma referência na história da IAM, por ter sido um período extremamente produtivo.

Eles são baseados em modelos simbólicos de essência nosológica e relacionam-se com os fatores ligados ao paciente e a suas manifestações clínicas, sendo a nosologia a ciência que trata da classificação das doenças.

Está comprovado que oitenta por cento (80%) dos erros em medicina surgem na fase do diagnóstico enquanto uma triagem feita por médicos-robôs poderia eventualmente reduzir esta percentagem. Esta é uma vantagem do processo. Além disso, a inteligência artificial permite, em tempo real, efetuar diagnósticos de tumores cancerígenos e proceder ao estudo da sua cura. Também ajuda em casos em que seja necessário fazer a antecipação da evolução das doenças mais eficaz e rápido do que os processos usados na medicina tradicional.

Por outro lado, há quem seja cético relativamente a este tema. De acordo com Ana Sofia Carvalho, diretora do Instituto de Biotécnica da Universidade Católica, “se a inteligência artificial e a robótica continuarem a evoluir, ninguém se importará de ter um primeiro diagnóstico médico feito por um robô. Mas ninguém antecipa que um robô se torne um médico porque a alma da medicina está na relação médico-paciente, ou seja, na relação humana que se cria entre os dois”. A relação humana é, por isso, fundamental daí que, eticamente, haja posições desfavoráveis ao desenvolvimento da I.A. nesta área do conhecimento.

Pode a I.A. aprender regras éticas e morais?

De acordo com o relatório Avanade Trends, que avalia tendências no mercado, a ética digital será fundamental para a sobrevivência das empresas, pressupondo, contudo, a criação de confiança com o cliente e o colaborador.

Coloca-se, então, a questão: até que ponto os algoritmos artificiais podem ser éticos?

O tema da ética permeia a sociedade humana desde Aristóteles e foi mudando de sentido ao longo da história resguardando, contudo, a crença de que apenas o humano é dotado da capacidade de pensar criticamente sobre os valores morais e dirigir nossas ações em termos de tais valores.

Robôs como a Sophia podem até mesmo vir a pertencer a famílias, caso lhes demos a oportunidade para aprenderem connosco. A Inteligência Artificial ainda está a evoluir e a própria robô Sophia reconhece que ainda está numa “espécie de infância”. Como tal, Hanson, apresentador de televisão, pede que os deixemos ter direito a esta infância e os deixemos evoluir e tornarem-se melhores.

Aplicações da Inteligência artificial

Nas nossas vidas lidamos diariamente com aplicações provenientes da Inteligência Artificial, embora nem todos tenhamos consciência disso. A verdade é que são inúmeras as áreas nas quais ela é utilizada.

Em medicina, por exemplos, a AI permite que sejam testadas em simuladores microrganismos para que se analise os efeitos destes no corpo humano sem haver necessidade de colocar em perigos vidas humanas. E nas cirurgias onde “braços robóticos” permitem que as intervenções sejam o menos invasivas possível, logo originam menos infeções e permitem recuperação dos pacientes muito mais rápida. O uso do corretor automáticos nos nossos telemóveis, ou a automização de veículos automóveis são outros exemplos dos inúmeros que a AI permite.

No que diz respeito a processamento de grande quantidade de dados, aplicável nas mais variadas áreas como a financeira ou a industrial, a AI é imprescindível pois atinge níveis muito superiores aos da capacidade humana.

Em suma toda a indústria possui uma alta demanda pelas funcionalidades da IA em todas as suas aptidões e nesse sentido, não podemos deixar de relembrar que a exploração das potencialidades desta, estão agora a começar.

Prós e contras, benefícios e desvantagens da Inteligência Artificial

Muitas pessoas, quando ouvem falar sobre Inteligência Artificial (AI), logo associam o conceito a robôs e outro tipo de máquinas que irão substituir os seres humanos. Talvez seja culpa da literatura e do cinema, que a retratam de forma errónea e demasiado imaginativa e, em consequência disso ela é subvalorizada por parte da sociedade e temida pela outra parte.

Na realidade a Inteligência Artificial já existe nos nossos dias e alguns de nós nem nos apercebemos. Inegável é que esta, cada vez mais, tem um papel muito importante na nossa rotina.

Vantagens do uso da inteligência

Precisão e acerto, não dando lugar aos chamados “erros humanos”
Deslocação a lugares limitados aos humanos, impedindo-os de correr perigos desnecessários
Rápida comunicação assim como resolução de alguns problemas pois tem uma capacidade de “pensamento” superior à do ser humano
Resiste a longas horas de trabalho, sem a necessidade de pausas
Substituiu os humanos em trabalhos de perigo para a saúde ou que ponham em causa a sua segurança.

Desvantagens do uso da Inteligência Artificial

No âmbito da ética e da moral levantam-se questões várias que o homem tem que ainda debater, nomeadamente o campo de ação da sua utilização.
A utilização de máquinas pode representar uma ameaça no emprego de milhares de pessoas na medida em que existem determinados trabalhos onde esta pode substituir o ser humano.
A produção e manutenção de máquinas com Inteligência Artificial acarretam custos financeiros elevados, que nem sempre compensam.
O uso e manutenção da AI implica pessoas altamente especializadas e com formação constante.
A Inteligência Artificial, até ao momento, não substitui o ser humano em todas as suas capacidades, nomeadamente na criatividade e na noção do correto e do incorreto.


Em suma para que se possa fazer uso de todas as potencialidades da Inteligência Artificial há muito trabalho a fazer. O ser humano tem de resolver muitas questões, pesar e avaliar vários pontos e resolver contendas para minimizar as desvantagens e poder potencializar o positivo.

Prós e contras, benefícios e desvantagens da Inteligência Artificial

Com as capacidades que a Inteligência artificial tem e que lhe permitem substituir o ser humano nalgumas tarefas, existem profissões que poderão vir a ser desempenhadas por máquinas eliminando a necessidade de um recurso humano. Eis alguns exemplos:

Piloto de avião;
Anestesista; Analista de investimento;
Engenheiro de software;
Contadores e auditores;
Headhunter e recrutador (RH);
Assistente jurídico;
Repórteres e jornalistas;
corretores de seguro e analistas de risco;
Analistas financeiros;
Atendimento de Telemarketing;
Caixa de Supermercado;
Caixas bancários;
Analista De Crédito;
Trabalhador Rural;
Seguradoras;
Leitores de medidores;
Técnicos de impressão e repórteres de jornais impressos;
Trabalhadores da indústria do metal e do plástico;
Assistentes de viagens;
lenhadores;
Reveladores fotográficos;
Carteiro e Maquinistas entre outros.

Porém o desenvolvimento e a aplicação desta IA traz a necessidade de recursos humanos, mais especializados noutras funções, tais como:

1. Criadores de software

Sem os criadores, nada do que conhecemos estaria em funcionamento hoje. São eles que analisam, compreendem, executam e realizam a manutenção em plataformas que auxiliam nos serviços dos negócios.

2. Especialistas em Experiência de Usuário/Cliente

A função deste profissional é fazer com que o cliente tenha acesso a todos os acessórios e funções de algum produto/serviço contratado. Além disso, é responsável por garantir que a comunicação com o cliente seja feita de forma efetiva, garantindo a felicidade e fidelização.

3. Creators

Esses profissionais já são muito valorizados e permanecerão nos próximos anos. São aquelas pessoas que produzem conteúdos para a internet e que também conhecidos como digital influencers.

4. Assessor de creators

Já existem agências/profissionais que cuidam das carreiras de influenciadores digitais e a tendência é que esse número aumente à medida que novos creators apareçam.
Os assessores de creators, além de ajudá-los a conquistar novas parcerias com empresas, também orientam e fazem a gestão da saúde da carreira. 

5. Professor online

O ensino “virtual” tende a se expandir nos próximos anos e os professores começaram a ver a testar o modelo de sala de aula virtual, que possibilita maior alcance de alunos. 

6. Coaching

O  coaching  é o profissional que ajuda pessoas a evoluírem em diversas áreas, mas principalmente, na carreira profissional do cliente.
Existem coachs em diversas áreas, como finanças, relacionamentos e inteligência emocional, entre outros.

7. Coach desportivo

Muitas pessoas possuem dificuldades para serem ativas fisicamente, e precisam da ajuda de um coach específico para isso. Por isso, surgiram os coachs desportivos, que mantém um programa de treino personalizado para cada cliente.

8. Profissional de marketing digital

Apesar do marketing ser uma carreira antiga, este profissional tem vindo a fortalecer-se mais online, criando uma especialização de carreira cada vez mais voltada para a internet.

9. Analista de Big Data

Este profissional analisa todas as informações provenientes de um sistema que circula na internet e que pode influenciar um negócio/empresa.
O mundo digital depende muito de dados para analisar e melhorar seus processos. Por conta disso, surgiu o Analista de Big Data, responsável por recolher e interpretar dados de diversos tipos. 

10. Gestor de comunidade

Este profissional é responsável por lidar com os consumidores e com a comunidade ao redor de uma empresa, com o objetivo de recolher opiniões para melhorar o negócio e o posicionamento da empresa com essas pessoas.

 

11. Engenheiro ambiental 

O meio ambiente tem sofrido alterações drásticas nos últimos anos e este profissional vai ser cada vez mais essencial entre as profissões do futuro.

12. Engenheiro hospitalar

A tecnologia em hospitais também evolui e novos aparelhos surgem para facilitar tratamentos, cirurgias e o dia-a-dia de profissionais da saúde. 
A principal função do engenheiro hospitalar é reunir e aplicar todas as tecnologias essenciais para solucionar problemas hospitalares.

13. Segurança da informação

Será o profissional que assegurará que toda a informação digital de uma determinada empresa se mantenha em segurança.

14. Gestor de resíduos

O gestor de resíduos consegue ver os resíduos de outra forma, criando novos projetos e funcionalidades para dar um destino diferente e correto ao material descartado.

15. Arquiteto e Engenheiro 3D

No setor de engenharia, arquitetura e urbanismo, será possível projetar ambientes em 3D e por isso, os profissionais deverão especializar-se nesse ramo para entregar uma experiência cada vez mais real ao cliente.

16.Gestor de inovação

Este profissional é responsável por repensar as estratégias de uma empresa, quer seja para o business ou para outra área específica com o intuito de melhorar o negócio.

17.Geneticista

Esta é uma profissão que já existe mas que ganhará mais força nos próximos anos. Dentre várias funções que o geneticista tem, será muito mais fácil prever um problema médico antes do mesmo surgir na pessoa.

18.Especialista em e-commerce

E-commerce já é um modelo de negócio trivial hoje em dia. Porem com varias loja a escolher esta opção de venda será preciso alguém para destacar o site para atrair mais clientes. Por isso o especialista em e-commerce vai ser uma profissão com futuro.

19.Gestor Financeiro

Estes Profissionais são e serão muito importantes ao longo dos anos para que as pequenas e grandes empresas consigam administrar o dinheiro e manter as suas contas saudáveis.

20.Walker Talker

Walker Talker são os profissionais autônomos contratados para passar tempo com clientes com idade mais avançada através de uma plataforma online que irá permitir este tipo de socialização. Com o aumento da média de vida do ser humano, este pretende resolver o problema da solidão.

21.Consultor de imagem

Igual ao Coach desportivo estes profissionais vêm com o intuito de dar conselhos para melhorar a aparência das pessoas, numa sociedade que valoriza muito a imagem.

22.Especialista em tráfego automatizado e veículos sem motorista.

São engenheiros especializados em projetar veículos de nanotubo de carbono ou modelos básicos de transporte.

23.Construtor de jornadas de realidade aumentada

Esta profissão tem o objetivo de criar, calibrar e construir jornadas de realidade aumentada. As pessoas com mais criatividade e pessoas com vários anos de jogos terão mais facilidade.

24.CTO (Chief Trust Officer)

Este Profissional trabalha com equipas de relações públicas e finanças para melhorar as relações de confiança no setor financeiro e encorajar transparência, e é responsável pelo mercado de criptomoedas.

Podemos assim concluir que genericamente as profissões que têm tendência a “desparecer” são aquelas em cuja formação académica e profissional é mais reduzida tendo a sociedade a forte propensão para necessitar do oposto – profissionais altamente especializados e com uma cultura de vida de permanente atualização formativa.